Sexta-feira, 29 de Setembro de 2006

Brasil, uma grande lagoa

Já na apresentação dos candidatos deu para notar a diferença. Um debate entre candidatos à Presidência da República, meus amigos, é coisa séria. Implica no mínimo num certo aplomb. E isso, tanto Alckmin como Cristovam demonstraram. Já HH... Não deixa de ser uma falta de respeito para com o eleitorado apresentar-se usando jeans e uma das famosas – pelo menos esperamos e imaginamos que não seja sempre a mesma – blusinhas brancas de babadinhos rendados. Até parece promessa para mãe-de-santo! Está certo que HH não precisaria estar vestindo Dior, Leonard nem mesmo um modelito Daspu. Mas deveria se apresentar de maneira um pouco mais condizente com o
evento que esteve vivenciando. Sua equipe de aspones deveria ter lhe contado que um debate televisivo não é a mesma coisa que o corpo-a-corpo nas ruas.

Mas, deixando de lado as críticas sobre a indumentária da top HH, acho que todos os que assistiram o debate tiveram a oportunidade de concordar com o Bufo hirsutus: a virulência da onça alagoana mal se conteve. Aliás, só não extravasou de vez por causa da ausência batraquial. Se ele ali estivesse, o Paranoá seria pequeno para tanta água e lama esparramada.

Sem a majestática presença do Bufo rex, o encontro de candidatos – mesmo porque debate, pelo menos para mim, tem uma outra conotação, algo assim como um jogo de perguntas e respostas rápidas, inteligentes, objetivas e precisas, não uma exposição de idéias em que as perguntas muitas vezes não são mais do que pequenos e delicados ganchos aproveitados para emendar explanações completamente fora do assunto proposto – até chegou a parecer um encontro de compadres. Exclua-se a comadre, uma vez que HH não fez mais do que lamentar e condenar o passado, aproveitando para atacar FHC sempre que atacava Lula, obviamente visando solapar o terreno pisado por Alckmin.

O jogo foi no mínimo interessante. Cristovam e Alckmin pareciam estar combinados, jogando no mesmo time. Um dava a deixa e o outro emendava. Bastante civilizada a atitude. Não duvido que, se milagres existirem e Alckmin chegar ao Planalto, este convide Cristovam para uma pasta. Provavelmente a da Educação, tendo em vista que é este o foco – e praticamente o único tema – da campanha do ex-reitor da UnB. Na verdade, não seria uma má aquisição.

Enfim, num balé bem orquestrado, os dois conseguiram expor minimamente seus planos de governo. Pena que o Bonner tenha sido tão exigente em questão de contagem de tempo e, com isso, acabamos – nós os telespectadores – ficando com uma desagradável sensação de coito interrompido.

Já HH mostrou bem a que veio. Sua incontestável virulência – queixa principal do Bufo pseudo-rex – transpareceu com terrível e triste nitidez. A mágoa de sua expulsão do PT saía por todos
os poros, deixando a clara impressão de que, com ela, o revanchismo seria uma meta.

Cristovam deu a tônica do encontro – recuso-me a chamar de debate – quando, ao encerrar, pediu votos para qualquer um que não seja o presidente-candidato, para que seja possível um segundo turno.

Enquanto isso, o Bufo hirsutus coaxava em São Bernardo – segundo ele, a terra onde nasceu politicamente – ao lado de todo o seu bando, incluindo dois mensaleiros: o professor Luizinho e José Mentor. Absolvidos das acusações não por uma questão de justiça, mas sim de política. Podre, evidentemente.

E entre as muitas coisas que coaxou, saiu-se com esta pérola: “Ainda vou publicar um livro sobre alguns articulistas nesses quatro anos de governo para ver a quantidade de maldades” perpetradas contra ele e sua família.

Seria interessante que fizesse isso mesmo. E que esse livro fosse realmente publicado. Porém, sem revisão e sem copy-desk. Que é para que a posteridade veja a que ponto chegamos. Eleger um presidente assim, até que passa. Num momento de revolta, de tentativa de mudança, admite-se. Mas, depois de quatro anos de desencantos e desencontros, repetir o erro... Aí, já nem mesmo é burrice. É a resignação, a admissão da incompetência de eleger.

Ou, simplesmente é uma questão de fraternidade, de espécie.
Afinal de contas, para a sapa, a coisa mais bonita do mundo é o sapo.
E, segundo as pesquisas eleitorais, pelo menos 50% do povo brasileiro pertence
ao gênero Bufo.
Bufo stultus.

publicado por Jose Alpoim às 05:47
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006

Será que há algo errado?

Na minha ingenuidade e ignorância política – aliás, justificada mesmo porque a política brasileira atual está muito mais complicada do que jamais – não consigo entender o que acontece com as pesquisas eleitorais. Tenho conversado com muita gente e a imensa maioria garante que não quer uma reprise no Planalto. Em miúdos: não vai votar no Lula. E até mesmo diversos petistas conhecidos meus são da mesma opinião, hoje em dia abominando o partido da ética, afirmando que de ético ele não tem mais nada. E permito-me indagar, para os meus botões, se um dia houve ética no PT... Mas, voltando ao assunto, se a maioria das pessoas com quem tenho conversado – e vejam bem que fazem parte de um universo que pode bem ser considerado como amostra, uma vez que são pessoas de níveis sócio-econômico-culturais bem diferentes – diz-se decepcionada com o Lula e com o PT, como é que pode o fenômeno de as pesquisas estarem apontando a possibilidade – quase certeza – de uma vitória de Lula já no primeiro turno? Será que há algo errado com essas pesquisas, ou será que a metodologia utilizada é tão esdrúxula que aponta justamente o contrário da realidade? Para ser sincero, não quero imaginar que possa haver corrupção até mesmo nisso! Porém, lembrando de que estamos vivendo no Brasil e de que estamos atravessando um período histórico que bem poderia ser chamado de Era da Corrupção, tudo se torna possível. Não pode me passar pela cabeça que indivíduos respeitáveis que me dizem votar em qualquer um menos no Lula, ao chegar a hora da urna, mudem totalmente de opinião. Mas pode-se pensar que se esteja fazendo o jogo do obstetra ladino quando ainda não havia o exame de ultrassom capaz de detectar o sexo do feto: dizia para a mãe que ela estava esperando um menino e, na ficha clínica, marcava menina; se nascesse um menino, ninguém viria fazer qualquer pergunta e ele ainda ficava com fama de profeta; mas se o Destino decidisse que viria uma menina e a mãe aparecesse para reclamar, ele simplesmente diria que ela tinha entendido errado. E mostrava a ficha clínica onde estava escrito menina. A esperança é essa. O brasileiro pesquisado pelo IBOPE, DataFolha, CNT/Sensus, Vox Populi e outros, só pode estar fazendo o jogo do obstetra: diz que vota no Lula, mas na hora H vai marcar outro. E, ao se publicar o resultado oficial da votação, o povo dará uma risadinha marota e apurará os ouvidos para tentar ouvir o canto do Bufo hirsutus ecoando ao longe. Muito ao longe do Paranoá.
publicado por Jose Alpoim às 06:35
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Setembro de 2006

Silêncio Perigoso

Nossa Mestra, Lya Luft, está com a razão. Somos todos alucinados. Porém, ao mesmo tempo, nada fazemos contra esse estado de coisas. Há 43 anos, nós ainda nos reuníamos e discutíamos. Alguns de nós chegaram mesmo a atuar, a correr riscos nas Assembléias de Estudantes, nos pronunciamentos do Carlos Lacerda no Cine Ritz da Consolação (lembra-se?). Hoje, ficamos sentados diante de nossos computadores recebendo e repassando mensagens... Parece mesmo que não lembramos que a massa populacional do Brasil compreende 4/5 de ignorantes (incluindo-se entre estes os pseudo-intelectuais que, na nossa época, eram simpaticamente chamados de "festivos"). Está certo que a nossa arma é o voto no dia 1º de outubro. Mas infelizmente, será uma arma derrotada. A grande massa ignara vai perpetuar a corja de plantão no poder. Talvez tenhamos uma oportunidade, depois das eleições, mas não acredito que seja pacífica. Nossa arma está, creio eu, por ocasião dessa oportunidade, numa Imprensa digna, independente, desvinculada, apartidária. Uma Imprensa que produza Jornalismo e não essa coisa tendenciosa a que temos assistido. Neste momento da conjuntura política nacional, não se trata mais de ficar tentando "manter as aparências" e de ficar com simpatias pessoais para com o Bufo hirsutus do Planalto. Temos de combater - e eliminar - toda a saparia do brejo planaltino. Temos de passar a limpo este país (já ouvimos esta frase antes, possivelmente na ante-sala de alguma pizzaria) e, para tanto, será preciso que os intelectuais façam uso de sua prerrogativa de formadores de opinião. E temos de agir rápido, pelo menos temos de "montar um esquema" de reação. Antes que se concretize o que o Bufo hirsutus disse para o Straub... Não podemos permitir que um governante fale que tem vontade de fechar o Congresso. E não podemos aceitar que a Imprensa - esta que aí está - fique calada, não se manifeste, não divulgue o que aconteceu, deixando apenas que um ou outro colunista teça um comentário. Estamos a caminho da formação de uma União Socialista das Repúblicas Latino-Americanas. Mesmo sendo um modelo comprovadamente falido (o da URSS), o perigo existe, mesmo porque estamos todos cansados de saber que os "líderes" não possuem outra ideologia que não a do poder. Deter o poder, obviamente, com todas as suas benesses.

publicado por Jose Alpoim às 15:28
link do post | comentar | favorito
|

O Hatzinger que ruge

E vamos aplaudir a teimosia! Aliás, a teimosia é uma atitude bastante esperada nas crianças e adolescentes que, justamente pela ainda pouca vivência, não são capazes de aceitar que há alguma coisa estranha quando todo um batalhão está marchando errado, com exceção de apenas um soldado.

Herr Hatzinger parece ser esse soldado e toda a cúpula do Vaticano está fazendo o papel da mãe do reco que, orgulhosa, diz: Vejam! Todos estão marchando errado, menos o meu filho!

O nosso Papa conseguiu recriar motivos para uma – agora sim, verdadeira – jihad. Não há no planeta um só islamita que não tenha se sentido profundamente ofendido por aquele seu desastrado pronunciamento em Regensburg. E é evidente que sinceros e justificáveis sentimentos de raiva e vingança emergiram fazendo com que o clamor inicial acabasse por se transformar em atos de violência.

Porém, nos dias de hoje, uma guerra santa não é movida apenas por conceitos religiosos, mas também por motivações políticas e econômicas que, justamente por estarmos no Século XXI, acabam por pesar mais nas ações e reações advindas de um incidente que, no frigir dos ovos, não deixa de ser uma excelente desculpa para acender o estopim.

Herr Hatzinger fez a besteira. Como uma criança, que fala sem pensar. Não contente, persistiu na burrice e está teimando em não se desculpar. Como um adolescente que não quer reconhecer o erro.

O resultado está aí: movimentação em torno das armas, todos prontos para usá-las contra o catolicismo.
Só contra o catolicismo? Só contra o Vaticano?

Não. As bandeiras queimadas em Basra não foram apenas as do Papa, mas também as de Israel – que nada tem a ver com Herr Hatzinger – e dos USA – cuja maioria populacional não é católica.

A guerra santa eclodirá entre o Oriente Médio – leia-se islamismo – contra o Ocidente, independentemente das religiões abraçadas.

As ameaças de ataques terroristas contra o Vaticano têm uma conotação diferente. Parece que ouvimos os líderes islâmicos – na verdade líderes políticos que seguem o Islã, ou dizem que seguem – falando: Vamos atacar o Vaticano para provocar a reação dos americanos.

Será que Herr Hatzinger não imaginava que aquele seu pronunciamento haveria de detonar uma reação desse porte por parte dos islamitas? Ou será que ele apenas quis testar o quanto de costas quentes ele tem?

Seria bom que algum desses cardeais que vivem no meio do luxo e intelectualidade do Vaticano soprasse no ouvido do Papa que o orgulho por não querer reconhecer o erro – e conseqüentemente, pedir desculpas – pode levar a conseqüências muito mais sérias até mesmo do que foi o 11 de Setembro. E, em algum momento desse conselho, tentar injetar na mente do Herdeiro de São Pedro, a idéia de que o rato, para rugir, tem de no mínimo estar bem defendido pelo leão. Aliás, pelo verdadeiro leão.
publicado por Jose Alpoim às 14:41
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Setembro de 2006

LANÇAMENTO

Editora Globo, Ryoki Inoue e Livraria da Vila
convidam para o lançamento do Livro


publicado por Jose Alpoim às 08:53
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006

Padre João Barca - Contos e Crônicas


Creio que todos os bares e restaurantes que beiram as rodovias são semelhantes. Com exceção dos grandes postos de reabastecimento que, pertencentes a poderosos grupos financeiros, já adquiriram um aspecto desenvolvimentista de primeiro mundo, todos os outros são igualmente infectos, mal-cheirosos e mal-frequentados. Entrecruzam-se nesses lugares, numa intimidade promíscua, caminhoneiros, mulheres fáceis do mais baixo padrão, bandidos de todos os calibres, malandros os mais diversos, andantes e peregrinos famintos, ciganos e, eventualmente, pessoas que não pertencem a esse tipo de mundo.

Como eu, por exemplo. E aquele homem sentado duas mesas adiante da minha.

Eu o reconheci imediatamente e não conseguia perceber o que ele poderia estar fazendo ali, perto de Imperatriz, tão longe de sua casa, de sua paróquia, vestido como um "carga-pesada", usando calções surrados, sandálias-de-dedo e camiseta sem mangas. A barba de vários dias ajudava bem a mostrar que, há muito, ele estava precisando de um bom banho de bucha, com fartura de água e sabão.

Em dado momento levantou os olhos do prato que devorava e fixou-os em mim.

Rápido, tornou a baixar a cabeça e, com mais fúria, meteu uma valente garfada de arroz com feijão em sua boca.
Não conseguiu porém, disfarçar um certo mal-estar, uma certa perturbação.
Reconhecera-me também e, ao perceber que eu já o tinha visto, sentiu-se mal, como se fosse um peixe fora d'água.

Impossível continuar a fingir, mesmo por que eu já me levantava e me dirigia para sua mesa.

Sorriu um sorriso amarelo ao me estender a mão, ao me ouvir dizer:

- Mas que surpresa, Padre João! Quem haveria de imaginar que nós nos encontraríamos aqui...!

Havia mais de cinco anos que eu não o via e nem dele tinha notícias. Soubera, por amigos comuns, que ele se desentendera como nunca com o seu bispo e que se mudara, possivelmente transferido, para algum lugarejo no interior de Goiás. Detalhes, não os sabiam aqueles meus conhecidos, e nem eu me dei o trabalho de procurar saber. Apenas, lá no último arquivo de minha memória, um lampejo de preocupação passara, perguntando, muito egoisticamente:

- E agora? Quando formos caçar marrecas, como nos arranjaremos com o bote? E com o alojamento?

Mas, fora apenas um lampejo, piscar fugaz da manifestação de um egoísmo até que bastante humano mas que, nem por isso, me impede de, às vezes, me envergonhar ao perceber que também faço parte da imensa massa, que também sou um humano sujeito a vícios, a atitudes que manifestam muito pequena caridade e menor ainda fraternidade.

Contudo, nesse caso, perdôo-me: já que, por circunstâncias várias, seria muito difícil voltar àquela cidade para caçar (por exemplo, a falta de tempo, a caça rigorosamente proibida, a turma de amigos já dispersa), não havia motivos bastantes para que eu me preocupasse com o Padre João, personagem que desde há cinco anos, já pertencia ao meu passado.

Era uma figura interessante, esse pároco de interior.

Quando lá estivemos, pela primeira vez, teria pouco menos de trinta e cinco anos de idade, estava no auge do entusiasmo, forte e atlético, sempre bem disposto e alegre.

- Conheço um lugar excelente para marrecas. Amanhã, bem cedinho, vamos lá com minha barca e garanto que vocês vão fazer uma ótima caçada.

Tinha razão, o padre.

Ainda escuro, bem antes da Missa, saímos, o padre levando uma velha espingarda calibre doze que, durante a caçada, mostrou ser muito boa e, melhor ainda, quem a manejava.

Bem treinado, esse ministro de Deus!

Não perdeu um só tiro!

- Agora, como pagamento pelo aluguel da barca e como recompensa por eu lhes ter ensinado um lugar de tão boa caçada, vocês irão à Missa.

E nós fomos...

A história se repetiu por todas as muitas vezes que lá estivemos e, devo dizer, jamais nos arrependemos.

Nem de lá ir e, muito menos, dos nossos pecados, na hora do Confiteor, que o padre nos fazia rezar ainda em Latim, alegando que era raro ter alguém suficientemente instruído por lá, para ao menos ler a oração no Missal, sem assassiná-la e sem fazer Cícero dar voltas onde quer que seu cadáver se encontre hoje.

Chegávamos à cidade durante a tarde de sábado e íamos diretamente para a Casa Paroquial onde Dona Elizabete, uma senhora já de seus cinquenta anos, preparava-nos um quarto e um ótimo jantar, bem à mineira, do jeitinho que a gente gosta até hoje: arroz tão soltinho que não se podia falar alto perto dele, feijão macio e bem temperado, carne de porco frita e, vez por outra, uma galinha ao molho pardo ou uma carne assada de fazer babar. De sobremesa, nunca faltava um doce caseiro, fosse de abóbora, de mamão, de cidra, de goiaba ou de banana, sempre bem acompanhado por um queijo meia-cura de se tirar o chapéu e de fazer qualquer um sair do sério.

O padre vinha jantar conosco, fumar um cigarro e beber uma cachacinha - diga-se muito de passagem que Padre João Barca era um excelente copo - que, vinda de Itamogy especialmente para ele, descia pela garganta, redonda e suave, parecendo até estar sendo acompanhada pelos cânticos celestiais dos anjos da igrejinha barroca onde ele, Padre João, rezava suas missas.

Brincávamos com ele:

- Você troca o vinho de missa por essa pinga, é ou não é, padre safado?

- A pinga, quando boa - dizia ele - é também uma dádiva de Deus e, por isso, deve ser reverenciada como tal!

E, entornando mais um copo goela abaixo, completava:

- É pena que o Demônio tenha tomado para si o controle de seus efeitos...

No dia seguinte, madrugada ainda, o padre nos chamava, íamos à caça.

Depois, enquanto Dona Elizabete limpava os marrecos e os salgava para que pudessem enfrentar a viagem de volta, nós íamos à Missa, rezar com expressão compungida o Confiteor, e rir quando o padre, a missa terminada, nos dizia, à porta da sacristia:

- Não agüento ver a cara que fazem, na hora da oração! Quem os vê imaginam que, de fato, estão arrependidos de seus pecados!

Rindo, completava:

- Mas eu sei que não se arrependem... E sei que vão continuar a pecar como sempre!

Pudera...

No meu caso, por exemplo, não era possível me arrepender de um certo pecado que vinha cometendo regularmente, havia já quase dois anos...

Mas, isto é uma outra história.

Na última vez que lá estivemos, a boa Elizabete estava doente e, para substituí-la e nos ajudar, enviou sua sobrinha, a Lurdes.

Moça desempenada e alegre, de cabelos compridos e louros como o ouro, ela se saiu muito bem ao preparar o jantar e limpar a caça.

Elogiada, agradeceu e disse:

- Ora... O trabalho de casa me agrada muito mais do que as aulas de Português que sou obrigada a dar aqui no ginásio.

Depois dessa vez, não mais voltamos, não mais encontrei o padre João Barca.

E, para meu espanto e surpresa, vinha revê-lo ali, naquele restaurante infecto, perto de Imperatriz.

- Está de férias? - perguntei enquanto ele punha na boca um naco de bife que mais parecia um pedaço de sola de sapato velho.

- Não, não... Estou trabalhando - respondeu ele, em tom evasivo.
Trabalhando? Como assim? Teria sido possível que eu me tivesse enganado e que estivesse falando a um desconhecido?

A expressão de surpresa, espanto e dúvida que se estampou em meu rosto fez com que ele se abrisse num sorriso e dissesse:

- Sou eu mesmo, doutor... Você não se enganou, não.

E, com os olhos baixos, a fala triste, acrescentou:

- Mas acho que mudei tanto, mas tanto, que nem mesmo Deus seria capaz de me reconhecer!

Desviei os olhos para disfarçar o mal-estar que sentia e vi que um gorila sentado à mesa ao lado bebia uma pinga com tanta satisfação que me deu vontade de tomar uma, também.

- Vamos uma branquinha? - convidei.

Viramos nossos copos com a careta convencional e o padre comentou:

- Que diferença daquela cachacinha envelhecida de Itamogy, não é mesmo?

- Pois é... - respondi, distante.

Mesmo assim, pedimos mais duas e ficamos alguns momentos olhando um para o outro, naquela situação desagradável de quem quer perguntar mas não tem coragem e de quem quer contar mas não tem ânimo, tem é muita vergonha.

Finalmente, o padre quebrou o silêncio:

- Você se lembra da Lurdes, a sobrinha de Dona Elizabete?

Evidentemente que eu me lembrava e, no momento em que ele dissera aquela frase, já pude adivinhar todo o resto.

Aceitando um cigarro que eu lhe ofereci, o padre contou sua história.

Dona Elizabete não tinha mais disposição e nem saúde para trabalhar e, assim, Lurdes foi ficando. Durante as duas primeiras semanas, nada ocorreu de anormal mas, com o passar dos dias, o padre começou a reparar que não tinha mais as meias furadas, que os botões de suas camisas não estavam mais faltando e que uma incontável quantidade de pequenas coisas que o aborreciam no serviço doméstico, não mais aconteciam.

Enfim, notou que sua vida tinha melhorado, e muito.

Também a Casa Paroquial tinha ficado diferente. Até então, mais parecida com uma pensão ordinária, ela começava a adquirir jeito de lar.

Não raro, quando precisava assistir algum moribundo altas horas da noite, surpreendia-se ao encontrar Lurdes a esperá-lo, com farta quantidade de bolinhos e café fresco.

Éclaro que ele lhe dissera, várias vezes aliás, que não se preocupasse, que não era necessário, que afinal de contas ele estava habituado a voltar tarde para casa e ir dormir sem comer nada.

- Ora, padre... Não me custa nada. Além disso, acho que o senhor merece. Vive aqui tão sozinho...

Padre João não percebeu, no início.

Foi preciso que um dia, uma tarde de sábado, um político da cidade, seu amigo, lhe dissesse:

- O que é que há, padre? O senhor não aparece mais em lugar nenhum, não vai mais à casa dos amigos... Outro dia, até deu uma desculpa esfarrapada para não ir jantar em casa do prefeito!

E, sarcástico, acrescentou:

- Até parece homem casadinho de novo...

Padre João percebeu a indireta.

Porém, não ligou.

Tinha a consciência perfeitamente tranquila e, de mais a mais, tinha descoberto como era gostosa a vida em sua casa.

Comentou com Lurdes:

- Você transformou esta casa, menina!

Ela sorriu, fez um trejeito dengoso e respondeu:

- Até mesmo a casa de um homem sozinho precisa das mãos de uma mulher...
Duas semanas depois, Lurdes precisou ir para a Capital, tinha de resolver alguns problemas com a sua licenciatura de professora.

Padre João Barca acompanhou-a até a estação rodoviária, carregou sua mala e...
Voltou para casa sozinho.

Àforça de começar a encarar esse fato, o de que sempre vivera sozinho, Padre João Barca se compenetrou que a vida de um pároco de interior é absolutamente solitária.

De repente, ele sentiu a solidão.

Era um vazio intruso, um frio no estômago como se lá, em vez de vísceras, houvesse um vácuo, uma estranha e desesperadora sensação de estar, constantemente, precisando de alguma coisa...

Ou de alguém.

Sentiu-se deprimido, não mais encontrava a paz em suas orações, muito pelo contrário: começava a se revoltar contra a opção que fizera há dez ou doze anos, ainda no seminário.

- Maldito celibato clerical!

Toda essa sensação de vazio, essa angústia e ansiedade, desapareceram quando, uma semana depois, ao chegar da visita que fazia semanalmente ao asilo de velhos, encontrou Lurdes na Casa Paroquial com um bonito bolo de fubá, à sua espera.

A partir daí, a mudança que começava a se operar em seu comportamento, se acentuou.
Arranjava toda e qualquer desculpa para não sair de casa pois sabia que lá teria a companhia de Lurdes, sempre tão agradável e dedicada. Começou a se sentir mal quando ela ia dar suas aulas e ficava pior ainda quando, à noite, ela lhe dizia:

- Até amanhã Padre João! - e saía porta afora, balançando ao vento os seus cabelos louros.

Não foi preciso muito tempo mais para que ele descobrisse que estava apaixonado.

Perdidamente apaixonado.

Decidiu se mortificar, jejuar, sair para um retiro terrível na Capital.

Tudo inútil.

As mortificações (comer só nas horas certas), iam por água abaixo com os bolinhos que Lurdes lhe preparava às três horas da tarde e por volta de dez horas da noite, quando ela voltava do ginásio. O jejum, não conseguiu fazê-lo pois Lurdes passara a manhã inteira preparando um pernil que...!

Já o retiro na Capital, foi um desastre completo.

Não conseguiu nem mesmo chegar a São Bento do Sapucaí.

Voltou pela primeira condução, pretextando uma indisposição qualquer.

Ah, que mentira gostosa!

A moça o pôs de cama, fez-lhe chás, dispensou as visitas importunas, cobriu-o de atenções.
O padre, coitado, em vez de melhorar de um mal que não existia, piorou de outro, de um câncer da alma que já o vinha corroendo aos poucos.

Tentou rezar mas sentiu tanta hipocrisia no que murmurava que, horrorizado, desistiu.

Uma tarde, um desses fins de tarde de novembro em que a luz do sol parece mais bonita fazendo as cores ficarem mais vivas, Padre João estava sentado na varanda da Casa Paroquial.

Àsua frente, estendia-se o vale, enorme extensão de terras férteis, cheia de fazendas prósperas. Conhecia muito bem cada um desses proprietários, seus filhos, suas esposas, seus pecados.

Sabia que, apesar de todas as intempéries e oscilações, às vezes até mesmo violentas, a que está sujeita a vida dos agricultores, todos eles eram felizes.

Sim...

De um modo ou de outro, eram felizes e, principalmente, felizes em suas casas.

Todos eles tinham um denominador comum, todos eles se assemelhavam em sua felicidade doméstica: possuiam um lar, filhos, crianças brincando no terreiro, esposas cozinhando em seus fogões.

Esposas...

Balançou a cabeça tentando afastar da mente a idéia que começava a se formar e tornou a olhar para o vale.

Ali, por exemplo, a casa mais próxima, a fazenda do Demétrio.

De sua varanda, o padre via perfeitamente a fumacinha azulada subindo da chaminé, na tarde sem vento. Imaginava o fazendeiro que, àquela hora, já teria chegado do trabalho, tomado seu banho e, de chinelos nos pés, estaria na cozinha brincando com o filho caçula e comentando com a mulher os afazeres do dia.

Que bela cena!

E lá, então...

Mais ao longe, a casa do Quinzão...

Já mais idoso, o casal estaria sentado na sala, ela tricotando alguma coisa para os netos e ele, conversando com os filhos e genros sobre o serviço da fazenda...

Assim, todos os outros, sem nenhuma exceção.

Era o fim do dia, a hora em que o homem sente que tem um lar, que tem uma família e que não está sozinho.

Sozinho!

Palavra dura!

Condição terrível!

O sol já se avermelhava, fazendo com que todas as coisas adquirissem um tom escarlate.

Padre João, pensativo, macambúzio, nem percebia direito que a noite chegava.

Porque só ele não podia ter, também, um lar normal? Porque só a ele não era dado o direito de ser feliz? Dentro do ensimesmamento que ultimamente vinha tomando conta de sua alma, não havia mais lugar para o sacerdócio. Vocação, se um dia tivera realmente, já não mais existia. Convencera-se de que havia cometido um erro incomensurável ao escolher essa carreira de sacrifícios e privações.

Afinal de contas, ele era homem, ora bolas!

E um homem normal, como qualquer outro! Também tinha o direito de ser feliz!

No entanto, ali estava ele, só, isolado, ilhado naquela cidade, impossibilitado de mudar o ritmo dos acontecimentos.

Lurdes veio lhe trazer o café e, ao apanhá-lo, suas mãos se tocaram.

Foi um toque breve, em qualquer outra circunstância teria sido absolutamente inconseqüente, teria até passado desapercebido.

Mas, naquele momento, os olhos dos dois se cruzaram e se disseram mutuamente alguma coisa, transmitiram-se uma mensagem cúmplice que, mesmo em silêncio, ambos puderam ouvir.

Lurdes foi embora mais cedo essa noite e deixou o padre de olhos acesos até o amanhecer, pensando, cismando, olhando para o teto de seu quarto sem ver e sem perceber coisa nenhuma.

No dia seguinte, a moça lhe pareceu diferente. Mostrava-se arredia, arisca, encabulada...

Também ele, não estava normal. Chegou até a confundir as páginas do missal e rezou a missa de uma semana atrás. Por sorte, a dúzia e meia de beatas que estavam na igreja - aliás como todos os dias - iam ali maquinalmente e nem mesmo chegaram a perceber o ocorrido. Na verdade, ele próprio só descobrira o erro quando terminada a cerimônia, vira que estivera o tempo todo em lugar errado, no missal. Em tempos outros, ele teria ficado perturbado com o fato mas, naquele momento...

Não via mais qualquer importância em tudo aquilo.

Àtardinha, a cena do café se repetiu. Só que, desta vez, o toque entre seus dedos e os de Lurdes foi provocado, se tornou um pouco mais demorado e os olhos de ambos se confessaram haver qualquer coisa além do relacionamento simples e puro que deve haver entre um padre e uma mulher.

Os olhos de Padre João tinham o brilho dos olhos de um macho em busca e os dela, a candura e a meiguice da fêmea que aceita...

Com isso, mais uma noite em claro.

Porém, nessa noite, Padre João sentiu-se mais objetivo. Pensou muito e, ao clarear o dia, tomou uma decisão: deixaria a batina, uma vez que perdera a vocação. Não soubera sublimar um sentimento, não deveria mais ser um sacerdote.

- Não morrerei de fome. Posso muito bem dar aulas.

Nesse dia, nem missa rezou. Nem mesmo esperou Lurdes chegar.

O calor do sol veio encontrá-lo já muito longe de sua paróquia.

Homem de princípios, não queria abandonar tudo sem se explicar com seu bispo, sem ao menos tentar se justificar. No fundo, talvez levasse uma esperança de que o prelado da diocese lhe perdoasse a fraqueza, lhe desejasse uma melhor sorte.

Na Cúria, soube que o bispo estava em retiro e que só poderia recebê-lo dentro de uma semana.

Resolveu aproveitar o tempo para procurar o que fazer no futuro, no campo do magistério, lá mesmo numa cidade maior, mais progressista.

Para seu desespero, não estava nem um pouco fácil encontrar emprego. As vagas para professor de Português estavam todas preenchidas e parecia não haver a menor possibilidade. O mesmo se dava com História, e Geografia.

Encontrou uma vaga para dar aulas de Religião mas, não aceitou. Não se achava digno para a empreitada.

Telefonou para Lurdes, contou-lhe que ia abandonar a batina, não lhe deu mais detalhes.

Ouviu-a dizer:

- Nesse caso, nada mais me prende aqui... Vou para Campos do Jordão, para a casa de Tia Renata.

A reunião com o bispo foi um verdadeiro desastre. O velho e arcaico prelado, incapaz de aceitar essa fraqueza de um sacerdote, desacatou-o, gritou com ele, ameaçou-o com o fogo do inferno e todas essas coisas que se usam para assustar as crianças mal-comportadas.

Padre João saiu da Cúria desnorteado, ciente de que havia se perdido para Deus e para todos.
Tirou a batina, comprou uma roupa comum e...

* * * *

- Fiquei completamente desorientado - confessou-me o ex-padre - Entrei num bar e bebi até cair... Depois, quando despertei, deitado no banco de um jardim, comecei a pensar melhor. Não podia deixar que a vida se escoasse daquela maneira, não podia permitir que tudo se acabasse. Eu tinha um carro, tinha algumas economias. Se não era possível dar aulas, poderia ao menos negociar com mercadorias. Comprei um caminhão velho, depois um mais novo e, por fim, tenho conseguido sobreviver até que razoavelmente bem...

Levantou-se, não me deixou pagar sua despesa.

Acompanhei-o até o caminhão, um belo Scania novo, todo enfeitado e equipado.

- Está bonito! - elogiei, subindo à cabina para vê-la por dentro.

Televisão, rádio, toca-fitas, CD-player, ar-condicionado, até mesmo um transceptor faixa-do-cidadão! Completa, a cabina do monstro!

E, bem no meio do painel, um adesivo magnético de Nossa Senhora Aparecida, com uma fotografia de uma criança louríssima, os olhos bem claros e uma face linda.

Embaixo da fotografia, os dizeres:

Papai, guie com cuidado. Em casa, Mamãe e eu esperamos por você.
publicado por Jose Alpoim às 22:05
link do post | comentar | favorito
|

O Brasil é maior do que seus políticos

Mas será, mesmo? Ou, melhor perguntando, se for, por quanto tempo agüentará? Será que Deus é tão brasileiro a ponto de nos dar a capacidade de resistir eternamente a tudo isso que é feito – pelo menos parece – de propósito para destruir este país? Ou será que Ele é tão pândego que só pensa em gargalhar das coisas realmente inacreditáveis que vemos acontecer por aqui?

Muitas vezes penso que é esta segunda alternativa a mais válida. Deus se entristece assistindo de Seu trono no Céu as barbaridades cometidas no Iraque, no Afeganistão, na Chechênia e em muitos outros lugares. Certamente chega a derramar Suas lágrimas divinas ao ver tantas crianças morrendo de fome na África... Muito provavelmente revolta-se com a teimosia dos homens que insistem em produzir armas de destruição em massa. Irrita-se com a excessiva ganância dos poderosos que, para se tornarem ainda mais poderosos – e só para isso, realmente, pelo poder – não hesitam em exterminar os mais fracos que, segundo esses mesmos poderosos, não têm importância nenhuma, existindo apenas para superpovoar o mundo e, com isso, constituírem populações maiores ainda de famintos. Conseqüentemente, mais problemas para os mais ricos.

Esquecem-se esses mais ricos que só se tornaram assim graças ao trabalho, ao suor e ao sangue desses mais pobres.

Mas estava eu dizendo que Deus – que também tem sentimentos – fica triste com tudo o que vê de errado no mundo. Ora, como diz a Bíblia e nós, pobres crédulos que somos, acreditamos, da mesma maneira que a Ira de Deus é terrível, a Sua tristeza deve ser imensa... E seguindo a teoria da dualidade das coisas, se há uma tristeza imensa, tem de existir... uma pândega também imensa.

Conclusão lógica: a pândega de Deus é imensa.

E Ele há de ter onde descarregar essa pândega, pois não nos é possível imaginar que Ele se desaguache lá mesmo no Céu, pregando peças em São Pedro ou contando piadinhas racistas para São Benedito. Deus tem de ter uma válvula de escape aqui na Terra e...

Penso que estou certo a cada dia que passa e que mais se aproxima do fatídico 1º de outubro, quando haverá a enorme probabilidade de sacramentar-se a maior besteira deste lado do Meridiano de Tordesilhas desde o Dia do Descobrimento, ou seja, quando cerca de 61 milhões de ingênuos farão voltar – melhor dizendo, deixarão permanecer – uma situação de caos, de mentiras, de crimes e de prevaricações jamais vista nesta terra.

Ele, o nosso Deus, só pode achar graça nisso tudo que está acontecendo.

E como não rir? Como não rir de um povo que se deixa enganar permanentemente, que não percebe – ou simplesmente não acredita naqueles que percebem – que tudo isso não passa de uma comédia? E, diga-se de passagem, de uma comédia ruim, daquele tipo pastelão, que o expectador ri mais de raiva do que da impossível graça que lhe foi tentada transmitir?

Como é possível não rir de nossa própria benevolência – para não dizer ingenuidade ou burrice – por nada fazermos apesar de termos visto na telinha, o presidente-candidato descer de um avião da FAB para ir fazer um comício de campanha? Sim... Já sei que os do contra, mesmo amigos meus, dirão que ele foi até aquela cidade numa missão oficial e que o comício aconteceu depois do expediente. Sim... Mas o avião presidencial foi embora sozinho? Ou esperou pelo presidente-candidato? Será que só ele-lá-lá tem direito a condução sustentada pelos contribuintes?

Não vi uma menção de um só jornalista a esse respeito... Onde está a nossa imprensa?

Ah! Já sei! Ela está lá-lá...

Mas... Voltando a Deus. É mais do que sabido que Deus prega – ou ordena, uma vez que, afinal de contas, Ele é o dono de tudo e muitas e muitas vezes nos deixa com a certeza de que somos filhos do leiteiro e não do dono – a humildade.

E deve dar muita risada quando escuta a propaganda eleitoral em que ele-lá-lá diz com a maior cara dura-hirsuta: “Agora, conheço o mundo e o mundo me conhece”.

De fato...

Maior humildade é impossível. Mas, talvez ele-lá-lá tenha razão. O mundo o conhece, especialmente os biólogos que, hoje, têm uma nova espécie para estudar: Bufo hirsutus.

E só espero que Deus, tendo o palhaço de quem rir, deixe um pouco de lado a Sua ira e sorria com benevolência para nós, pobres brasileiros, e permita que surja – agora, acho que mesmo só por milagre – um tuiuiú de bico forte e estômago mais ainda, que engula o Bufo hirsutus e, como sobremesa, faça uma limpeza na lagoa e elimine todos os candirus que por lá-lá se encontram, parece que com a única finalidade de entrar no buraco dos outros...

E, mais uma vez, que me perdoem os tuiuiús, os candirus e, especialmente os sapos, que não merecem ter um colega de gênero tão ruim.
publicado por Jose Alpoim às 21:59
link do post | comentar | favorito
|

O atraso que vem de cima ou O Regresso para a Idade Média

A Atlantis teve êxito em sua missão. Pelo menos, até o presente momento, tudo está correndo bem lá em cima, fora a perda de um parafuso, uma porca e uma mola. Segundo consta, a porca sumiu no espaço, sem causar maiores preocupações momentâneas. Já o parafuso e a molinha, por terem escorregado pela fuselagem da nave, deixam uma ponta de medo de que eles penetrem em algum lugar indevido e venha a prejudicar fios e tubos...

Mas acho que tudo vai dar certo. Afinal, não é a primeira vez que o homem tenta colocar um parafuso, este não entra, cai e simplesmente desaparece. E o carro continua funcionando normalmente. Esperemos que o mesmo princípio se aplique a uma nave espacial.

Contudo, trapalhadas à parte, é inegável o valor científico do feito. Ir ao espaço, passear entre os corpos celestes, deixar a prisão da gravidade... Ninguém poderia sequer imaginar isso sete séculos atrás.

Aliás, até mesmo bem depois disso, até que terminasse o horror da Inquisição, perigava alguém que ousasse pensar nessas loucuras ir para a fogueira. Hoje, quem não acredita que isso seja possível é que se torna queimado entre seus amigos, conhecidos e até mesmo parentes.

O mundo evolui, o que vale dizer que o homem evolui.

A todo instante estamos vendo o progresso da Ciência, os novos medicamentos customizados de acordo com o DNA do paciente, as novas técnicas de cura que implicam na utilização de células muito jovens (não quis dizer células-tronco justamente para não despertar a polêmica antes da hora).

E, ao lado disso, o que vemos, também?

Vemos a Igreja Católica posicionar-se contra a utilização de embriões inviáveis – mas não tão inviáveis que não pudessem produzir as tais células jovens imprescindíveis para o tratamento de tantas pessoas e que, até poucos anos atrás não tinham mais esperanças de poderem continuar vivas. Vemos nosso Papa, Herr Hatzinger, dizer que a teoria do evolucionismo é irracional... Vemos todos os padrecos, padres, cônegos, bispos, arcebispos, cardeais e o próprio Papa queixarem-se da formidável diminuição das vocações religiosas. Mas, o que não se mostra à mídia, é que a própria Igreja Católica cria os mais inacreditáveis entraves para quem quer manter uma mínima que seja chama de religiosidade.

Por exemplo, há seis meses quero batizar minha neta, e não consigo. O padre exige que os padrinhos façam um curso de padrinhos e – o que definitivamente inviabiliza qualquer tentativa de batizá-la – seus pais, meu filho e minha nora, não são casados na Igreja.

Conclusão: Caroline provavelmente será ovelha de outro rebanho, uma vez que este pastoreio a recusou, e o resto da família correrá o risco de extraviar-se e passar a seguir um outro pastor que proporcione pastos mais fáceis de digerir e água sem tantos lobos por perto.

Não tivéssemos sido criados em regime estritamente católico, minha mulher e eu, com certeza teríamos aceitado o oferecimento de um nosso conhecido, umbandista, que garantiu não ser preciso nenhuma frescura para batizar a menina num terreiro de candomblé...

Voltando ao nosso Herr Hatzinger, fico imaginando se ele alguma vez já pensou por sua própria cabeça, deixando de lado os mofados livros em latim escritos até antes da Idade Média e os velhos grimoires cheios de fórmulas e de orações que os padres da Idade das Trevas escreviam – e escondiam deles mesmos.

Não posso acreditar que um homem – sim, pois não deixa de ser um homem, tanto assim que nasceu e há de morrer – como Herr Hatzinger, vivendo em pleno século XXI e com a obrigação de fazer uma aproximação da Igreja com a Modernidade, possa continuar a pensar que Darwin nada mais era do que um herege pecador e que a vida na Terra surgiu pura e simplesmente de um sopro de Deus. Assim, sem mais nada, sem a menos interferência do movimento browniano de moléculas, sem nenhuma obrigação de adaptação para a sobrevivência. Se isso fosse verdade inconteste, onde estarão os dinossauros vivos nos dias de hoje? E os mamutes? Por que eles perderam o pêlo, diminuíram as presas e alargaram as patas? Por que, enfim, transformaram-se em simples e simpáticos elefantes?

Não estaria aí uma prova da validade do evolucionismo?

E não haveria uma certa analogia do pensamento de Herr Hatzinger com o de um seu outro execrável conterrâneo, Herr Adolf, no que concerne a uma tendência de purificação, não étnica, mas sim religiosa? Por que o nosso Papa há de colocar o Deus dos Muçulmanos num plano inferior, ou seja, por que ele haveria de desdeificar Alá, se Alá é nada mais e nada menos que o nosso Deus para os muçulmanos? Teremos de todos os componentes da humanidade sermos filiados ao mesmo partido religioso? E onde está o privilégio – aliás dado pelo próprio Deus, embora não haja certidão do Céu com firma reconhecida, como bem queria o Poetinha – do livre arbítrio? Então Abdallah tem de adorar o Deus dos católicos porque aquele que lhe foi incutido desde as mais priscas eras simplesmente não vale?

E, para finalizar, Herr Hatzinger condena veementemente as guerras santas. Concordo. Toda e qualquer guerra deve ser condenável. Mas ele posicionar-se como se o catolicismo jamais tivesse partilhado dessa tendência, é um absurdo histórico. Então as Cruzadas – devidamente abençoadas pelos Papas de plantão – não foram guerras santas?

E quando Herr Hatzinger diz que o caminho para Deus jamais passa pela violência, como fazem os muçulmanos que impõem à custa de armas a fé no Corão, está esquecendo que a Igreja Católica fez igual, se não pior ainda, na época da Inquisição, quando obrigava judeus a negarem sua fé e – até mesmo mudando seus nomes – abraçarem o catolicismo. Sob pena de fogueira, se acaso se recusassem.

Na Homilia da Missa que oficiou em Regensburg, Alemanha, Herr Hatzinger condenou o fanatismo. Também concordo. Todo e qualquer fanatismo, especialmente o religioso, tem de ser condenado. Mas nosso Papa nada disse sobre a Opus Dei... E olhem que ela é apenas uma migalha de fanatismo dentro da Religião Católica.

Mas vamos deixar essa história da Opus Dei para uma outra ocasião, caso contrário vamos ficar escrevendo horas a fio...

Por enquanto, por hoje, apenas vale deixar aqui registrada a minha decepção com relação ao mais alto dignitário do Catolicismo, aquele que é o representante de Deus na Terra e o ocupante do Trono de São Pedro: não dá para entender por que não se pensa em evolução, dentro do Vaticano.

E, se não para evoluir, então o Vaticano deveria ser iluminado à luz de velas, usar tambores e pombos-correio no lugar de telefones e internet, andar de jegue em vez de usar um papamóvel e, por fim, jamais por os pés dentro de um avião – afinal se Deus quisesse que os homens voassem, ter-lhes-ia dado asas.
publicado por Jose Alpoim às 21:56
link do post | comentar | favorito
|

>Sobre o autor...

>Pesquisar neste blog

 

>Links Recomendados

>Posts Recentes

> O Sebo

> O Crime da Beleza

> Sobre o Livro Ninguém par...

> JUS ESPERNEANDI

> Não vai sobrar ninguém

> Mais um para ouvir nossas...

> Rotina matinal

> Vivendo o inferno

> Considerações sobre a Ami...

> Vaidade Mórbida

> Quinze minutos de fama

> Mudou de nome: a persegui...

> Sempre há esperança

> Brasil, uma grande lagoa

> Será que há algo errado?

> Silêncio Perigoso

> O Hatzinger que ruge

> LANÇAMENTO

> Padre João Barca - Contos...

> O Brasil é maior do que s...

> O atraso que vem de cima ...

> Nem sempre rima é poesia

> ESPERA NA ETERNIDADE

> Vaidoso, sim. E por que n...

> O Livro como Fonte de Ren...

> A Beleza Feminina - Conto...

>Arquivos

> Janeiro 2008

> Setembro 2007

> Maio 2007

> Março 2007

> Dezembro 2006

> Novembro 2006

> Outubro 2006

> Setembro 2006

> Agosto 2006

>tags

> todas as tags

blogs SAPO

>subscrever feeds

Add to Technorati Favorites